quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Amor Autentico



“Como vocês podem atingir esse amor autentico? Não é tentando forçar, isso seria impossível. Só pode ser atingido indiretamente. Comecem com vocês mesmos. Investiguem todo o seu ser, sem enganos. Descubram as obstrução: egocentrismo, auto piedade, vaidade e orgulho. Depois que perceberem a sua extensão, vocês estarão caminhando para o amor autentico, verdadeiro.

Se você concentram o seu amor em uma unica pessoa, e se isso for feito da maneira errada indicando doença da alma nessa área, então tal amor lhes enfraquece. Talvez tenham medo de perder o amor do outro, e por isso procurem mudar de personalidade, o que no entanto resulta em humilhação. As vezes vocês pensam que esse é sinal do verdadeiro amor mas é auto-engano. Quem sente amor saudável e autentico jamais compromete sia dignidade

Talvez não seja fácil perceber a diferença, mas meditem no que eu disse e vocês terão mais condições de entender. Aqueles que são capazes de sentir o amor real e autentico, deixando de lado o orgulho, os pequenos infortuneos, mantendo a integridade interior, sem abrir mão dela por medo de perder o amor do outro., esses jamais serão maltratados. O amor autentico sempre mantem a sua dignidade. Vocês podem sofrer uma desilusão mas não passar por uma humilhação indevida. Esse tipo de amor se basta, essa dignidade gera respeito, não rebaixamento ou maus tratos. O amor saudável – que enxerga, não é cego. Que é forte , não é fraco – sempre é leal ao eu interior simplesmente porque, ao eliminar o pequeno ego, ele não deseja satisfazer seus desejos egoístas. Assim o amor real é isento de tendências masoquistas ou sádicas, é saudável e não apresenta egocentrismo ou correntes que sufocam a personalidade.”

( O Guia. Palestra 04: O cansaço do Mundo em contraposição ao amor)



Esse trecho dessa palestra me fez refletir muito. Percebo que muitas das vezes o que chamamos de amor é apenas carência. é busca de alguém que nos aceite e nos ame. Quando é assim na verdade não nos importamos com a outra pessoa e sim a atitude dela com relação a nos. O mais importante passa a ser que o outro nos ame, nos aprove, nos aceite… E isso gera problemas porque nessas circunstâncias não seremos mais nos mesmos e sim o que a outra pessoa espera de nós.

E também vamos esperar certas atitudes da outra pessoa. Isso não é amor é uma tentativa de que outra pessoa supra nossas carências.

Por isso é importante aprender a amar a si mesmo. Já que se nos amamos, se nos aceitamos não precisaremos suprir essa necessidade com outra pessoa. E dessa forma estaremos livres para amar de verdade o outro. Porque não iremos precisar exigir que ele nos aceite o tempo todo.

Poderemos aceitar melhor o fato de alguém não gostar de nós. deixar o outro livre para não gostar de nós. E assim não precisaremos nos humilhar para conseguir o amor do outro. Infelizmente eu já fiz muito isso. mas agora não. estou aprendendo a não precisar dos outros para me valorizar.

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Felicidade e Medo


felicidade

“Se você deseja a felicidade porque teme a infelicidade, a felicidade permanecerá inacessível. Se você deseja a felicidade por querer estar feliz e não por temer a infelicidade. Se você deseja a felicidade por querer estar feliz, e não por temer a infelicidade nenhum bloqueio com relação a realização existirá. E esta é uma enorme diferença.”
( O Guia. Palestra 130: Abundancia versus aceitação)

Coloquei esse pequeno trecho da palestra pois acredito que esse trecho resume a ideia de toda a palestra. E esse pequeno trecho já foi o suficiente para eu compreender diversas coisas em minha vida.
O que é dito aí é totalmente verdadeiro. Se você teme a infelicidade não pode realmente ser feliz. Porque mesmo em momentos de alegria em momentos em que não haveria motivos para a tristeza a pessoa não estará em paz. Porque? Porque estará acompanhado do medo de que essa alegria acabe. O que sem duvida acontecerá já que tudo na vida é mutável. E não há apenas momentos de alegrias e contentamento na vida de ninguém…
No entanto se você souber que pode suportar os momentos de angustia, tristeza, que são emoções que normalmente fazem as pessoas se sentirem infelizes, você conseguirá aproveitar melhor seus momentos de alegria.  Já que não estará a assustado com a possiblidade de ter alguma dor.
Se a pessoa souber que é capaz de sobreviver mesmo ao momentos mais difíceis ela não ficará desesperada quando esse momento acontecer.E a dor não será insuportável.
E assim ocorre com todo o resto. Se uma pessoa é rica e tem medo de ficar pobre , não conseguirá aproveitar a sua riqueza. Estará sempre procurado  e até poupando dinheiro. srsrs. Se uma pessoa tem medo de perder os amigos, ela estará sempre preocupada de um dia perde-los..
Enfim a pessoa só consegue aproveitar algo que tem não tiver medo de perder..

domingo, 7 de agosto de 2011

O Desejo segundo o Pathwork

 

desejo265

“Vamos definir de uma vez por todas as diferenças entre motivações saudáveis e doentias do desejos. Não vamos nos preocupar com desejos que são obviamente doentios porque eles são destrutivos. Vamos sondar as regiões mais profundas da mente e da alma onde os desvios existem de uma maneira muito sutil e discreta. Você pode ter um desejo perfeitamente legitimo, e, ainda assim, doentio. As motivações doentias e tensas estão sempre ligadas ao medo. É por isso que em certas doutrinas se fala tanto no estado de não desejo que é, no plano onde a maioria de vocês está, uma impossibilidade. Então nos resta tentar encontrar a diferença entra o que faz um desejo ser saudável e o que faz o mesmo ser doentio. Uma das explicações é essa: Quando você deseja uma coisa por ela mesma, esse desejo é saudável, mas quando você deseja alguma coisa como meio de obter um fim, esse desejo é doentio. Se for esse caso o desejo automaticamente se torna tenso. Ele passa a ser uma necessidade e portanto o medo vem no seu rastro

Vou dar um exemplo: Se você deseja segurança financeira pelo desejo de desfrutar esse estado não tem nada de doentio nisso. Mas se você deseja segurança financeira para impressionar os outros ou para mitigar um sentimento de inferioridade então o desejo passa a ser doentio. O objetivo foi distorcido para preencher uma necessidade diferente daquela que deveria preencher de forma saudável. Essa situação pode passar perfeitamente despercebida, Você pode sentir apenas uma necessidade premente. Podem ser encontradas explicações racionais em abundância sobre o porque o desejo é tão urgente. Enquanto por baixo as verdadeiras motivações permanecem ocultas.”

( O Guia. Palestra 56: A Capacidade de Desejar)

 

Mais uma vez eu encontro um trecho do pathwork que parece ter sido escrito especialmente para mim. Essa é uma situação que eu vivi a pouco tempo. Na verdade ainda estou vivendo mas agora tenho mais consciência dela.

Esse exemplo de desejo doentio caiu como uma luva para mim. Eu ainda estou trabalhando para conseguir minha independência financeira e pouco tempo atrás fiquei literalmente desesperado por não te-la ainda.

E eu percebi que muito do meu desespero não era por conta da minha depenica financeira por si só. E sim por eu acreditar que as outras pessoas me veriam como incapaz por causa dela.

Então eu queria independência financeira não apenas para ter mais autonomia mas para provar que sou capaz. Para diminuir o meu complexo de inferioridade. Então esse desejo era um meio para atingir um fim, exatamente como é dito na palestra.

Eu acreditar que a independência financeira daria um fim na minha imagem de menina incapaz fez esse desejo se tornar tenso. Veio com ele o medo de nunca conseguir provar que sou capaz. Isso tornou o desejo urgente e fez com que ficasse impaciente demais para esperar que o que plantei com minhas novas atitudes desse frutos.

E agora que tomei consciência de tudo isso estou um pouco mais tranquila. E sei que essa necessidade de provar que sou capaz é uma ilusão. Afinal não preciso provar nada para ninguém.