terça-feira, 19 de julho de 2011

Reações Desproporcionais

 

desproporcional

 

“O segundo estado doentio que eu gostaria de discutir é a questão das reações desproporcionais, do exagero. sobre isso  já falamos um pouco em outras ocasiões. Eu mencionei, por exemplo a frequência em que vocês dramatizam as situações em que estão envolvidos. Mas anteriormente essa reação se aplicava mais as manifestações externas desse aspecto, demonstrada principalmente por algumas estruturas de personalidade. Mas esse aspecto também pode estar presente naqueles que, externamente, dramatizam muito pouco as suas emoções. Em outras palavras, o aspecto pode não ser visível.No entanto em algum plano emocional ele sempre existe. (….)

Por exemplo, um pequeno elogio, em si mesmo não muito importante, pode salvar o dia de vocês. Uma aprovação casual pode mudar totalmente o seu estado de espirito. Da mesma forma qualquer pequena critica ou desaprovação pode estregar por completo o humor de vocês. Pode lança-los na depressão e no mau humor. No primeiro caso há um aumento desproporcional da auto confiança, no segundo caso ela cai. Há muitos outros exemplos mas vocês precisaram descobrir essas reações a medida que prosseguirem, aprendendo a tirar do esconderijo as reações emocionais. Em qualquer caso vocês sobem ou caem devido a um único aspecto – Seja ou não verdadeiro – referente ao que outra pessoa pensa de vocês. No primeiro caso, do ponto de vista emocional, vocês se percebem bons, perfeitos dignos de amor. No segundo caso uma pequena critica faz com que vocês não se sintam bons, pelo menos aos olhos da outra pessoa. Isso é muito difícil de detectar porque intelectualmente vocês sabem muito bem que isso é um absurdo, e sempre que essas reações aparecem vocês se furtam a avalia-las integralmente. “

 

(O guia, Palestra 90: Moralização, reações desproporcionais, Necessidades)

 

Escolhi comentar esse trecho da palestra pois mais uma vez me vi em algo que o guia descreve. Esse tipo de reação emocional se repetiu muito na minha vida. Hoje nem tanto, mas ainda acontece se eu não tomar cuidado.

Hoje percebo que, por mais que negasse e dissesse que não estava nem aí para o que os outros diziam, as criticas me afetavam sim. E muito. Acontece que raramente deixava transparecer. Ficava tudo dentro mim sem jamais ser expressado.

Inúmeras vezes diante da menor critica eu pensava: “ Fulano tem razão sou mesmo uma porcaria.” Sim, eu me defendia. Mas no intimo não só dava razão a critica como me condenava muito mais severamente que a própria pessoa que me criticou. Um exemplo apenas para vocês entenderem. Se a critica foi que eu não lavei a louça direito. Eu já pensava: Não faço nada direito mesmo. Só que normalmente eu me defendia ao invés de verbalizar isso. Mas no fundo eu achava a critica acertada e me criticava mais ainda. srsrs

Essas reações desproporcionais as vezes acontecem comigo em outras situações. Se eu tento fazer algo e não consigo me veem pensamentos do tipo: Nunca conseguirei isso. Sou uma incapaz.

Antigamente eu me deixava dominar por esses pensamentos derrotistas, hoje não. Quando eles aparecem eu já os questionam lembrado que nãos conseguir uma vez não significa não consegui mais tarde. E que inúmeras pessoas só conseguirão um emprego depois de muitas entrevistas. Ou que só passaram do vestibular depois de varias tentativas. Enfim, é possível dar inúmeros outros exemplos. E esse questionamento já diminui o impacto desses pensamentos em mim e eu me sinto pronta para continuar o meu caminho…

Um comentário: