quinta-feira, 7 de julho de 2011

Como Parei de me Desprezar

 

bebe

 

 

“Naturalmente seria infantil imaginar que o que vocês não apreciam em si mesmos não existe porque vocês procuram evitar encarar esse aspecto, mas o eu inferior é imaturo e ignorante. Portanto eu digo: Não se esquivem do que está em vocês! Muitas pessoas que vão a psiquiatras muitas vezes sofrem um colapso ao ficaram cara a cara com o eu inferior diante o tratamento. Mas isso não será possível se vocês souberem que o eu inferior não é o ser final.É essa ideia errada que leva as pessoas analisadas a tal desprezo por si próprias e aversão por si próprias que ocorre um colapso. Mas todos vocês sabem que o eu inferior não passa de uma camada , que é algo temporário. Ele estás aqui agora e deve ser considerado. Mas é temporário e não é o eu real. Existe o eu superior que se manifesta através de suas boas qualidades. Na generosidade, na amabilidade, por exemplo. Mas mesmo que ele ainda não consiga se manifestar, bem escondido, atrás do eu inferior, está o eu superior em sua brilhante perfeição.”

( O Guia. Palestra 25: O Caminho: Passos Iniciais)

 

Escolhi esse pequeno trecho dessa palestra pois ele ilustra a principal descoberta que eu fiz no pathwork. Antes do pathwork , mesmo sem fazer uma terapia bem sucedida, que realmente me fizesse entrar em contato com meu lado negro essa aversão por mim mesma aconteceu.

Isso porque eu não era tão boa em esconder de mim mesma essa lado negro. Por mais que me esforçasse para ser gentil e amável eu via que em muitas ocasiões eu era na verdade egoísta e mesquinha. E que na maior parte das vezes minha gentileza era apenas uma mascara para conseguir a aprovação das pessoas.

E mesmo que eu não deixasse transparecer, já que sempre fui boa em me fazer de indiferente. Eu sabia sofria e me condenava por ter esses sentimentos negativos em mim. Eu achava que não poderia ter. Para mim pessoas boas teriam de ter pensamentos e sentimentos harmoniosos o tempo todo.

E por estar tão ficada em esconder meus sentimentos “negativos”  eu não acreditava que realmente havia os “positivos “ em mim. Passei a ver o meu lado “negativo” como real e o “positivo” como mascara.

Eu entrei mesmo em colapso. Cheguei muitas vezes a pensar: “Realmente não há nada de bom em mim”.  Embora muitas vezes isso não fosse verbalizado.

No pathwork eu aprendi que todos tem momentos de raiva. E ter momentos de raiva não significa ser raivosa o tempo todo. Que ter momentos de egoísmo não sínica ser egoísta o tempo todo.

E que quando não temos consciência de uma caracteriza ela nos domina. Mas se temos consciencia controle sobre ela , ela para de nos dominar.

Podemos sentir todas as emoções. Mas podemos escolher como manifestá-las. Ou não manifestá-las, mas ter consciência de que ela está lá. E através dela aprender mais sobre nós mesmos. Dessa forma até mesmo uma emoção “negativa” nos beneficia. O problema não é a emoção. é como lidamos com ela.

3 comentários:

  1. Olá Luciana
    Post divulgado no blog Teia
    Até mais

    ResponderExcluir
  2. Ola,
    Grande verdade, as vezes o que nos transtorna, àquilo que chamamos de "não eu" é sempre posto
    no subconciente, mas ele volta pro plano conciente a vida toda e teimamos e não mentalizar e
    resolver esse estranhamento.
    Conheço gente na minha familia que tem até trauma, não pode ouvir falar a palavra prova, que
    logo se vê uma sensação desconfortante nela... Pois passou a vida fugindo de uma, não fez
    um curso necessario pra carreira, teve medo, e perdeu, a pagina virou e ficou pra
    tras... Agora isso virou fantasma.
    voce falou muito bem, a pessoa acha que ser boa é ter pensamentos harmoniosos o tempo todo,
    e na verdade ela mesmo imeprfeita poderia ter bons resultados, mas tem gente que evita
    desnudar esse "não eu". Como diz, não se vence um vento se você deitar no chão.
    E a tentação pra desistir é bem assim, muita gente deita no chão e se acomoda por causa de
    momentos de mediocridade que todos temos diante de uma situação... só não pode é desistir. :)
    Muito bom seu texto, parabens.!!!

    ResponderExcluir
  3. Olá Luciana, adorei seu blog, achei muito interessante.Acho válido buscarmos novas formas de conhecimento, entendimento, enfim... E acredito em quase tudo. Parabéns e sucesso!!!

    ResponderExcluir