terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Mudança de Identificação

ano_novo_blog

 

“Quando existe uma identificação secreta, embora parcial, com o eu inferior, abandona-la é semelhante a aniquilação. Para a parte da personalidade que é destrutiva, cruel, odiosa e rancorosa, isso parece o verdadeiro eu.  Tudo o mais parece irreal, talvez até mesmo falso, especialmente quando um verniz realmente falso é usado para encobrir a realidade do eu Inferior. O abandono do ódio, do rancor e das intenções negativas parecem o abandono do próprio ser. Essa auto-aniquilação aparente é um risco que não se pode correr, mesmo se a promessa lhe aponta que a alegria e satisfação resultam desse sacrifício. Na melhor das hipóteses essa alegria parece acontecer a outra pessoa que não o você familiar. Do que adiantam a alegria, satisfação, o prazer, o respeito próprio, a abundancia se eles serão experimentados por outra pessoa que não você? Esse é um sentimento e um clima não articulado em palavras.

Essa é a parte mais difícil de vencer. Ou, talvez, eu devesse corrigir essa afirmação e dizer que é a segunda parte mais difícil. A primeira é assumir o compromisso inicial de descobrir a verdade a respeito de si mesmo. Isso inclui a admissão de seus verdadeiros pensamentos, a experiência de todos os sentimentos e a tomada da responsabilidade em todos os níveis. A segunda é desembaraçar-se da sua identificação com o seu eu inferior.

Quando vivencia a si mesmo como real apenas no Eu inferior, em qualquer medida que isso possa ser verdadeiro, você não pôde abandona-lo. A recusa em fazê-lo é a vontade de viver, só que deslocada de seu verdadeiro lugar. Você vivi na ilusão de que além de seus aspectos negativos, nada mais do seu ser existe. Você só se sente real e energizado quando a negatividade e a destrutividade se manifestam. O amortecimento e o entorpecimento externos parecem resultar do fato de se ter “abandonado" o mal. Mas ele não foi deixado de lado, absolutamente.

Meus amigos, deixem que isso os penetre: sua resistência em abrir mão daquilo que mais odeiam em si mesmo deve-se a uma falsa identificação,

Como você vai achar a saída? A primeira coisa a fazer seria questionar a si mesmo: Isso é realmente tudo o que sou? Isso é tudo o que existe em mim? O simples fato de levantar essas questões já vai abrir uma porta. Mesmo antes de virem as respostas – E elas virão a luz – O fato dessas de essas perguntas serem feitas permitirão que você chegue ao segundo estágio: Você se dá conta de que a parte que fez a pergunta já está além da sua identidade presumida. Daí você já estabelece uma nova ponte. Daí em diante, não será tão difícil ouvir uma voz em que você responde de uma nova maneira.”

( O Guia. Livro: Não temas o mal - O método pathwork para a transformação do eu inferior.  Capitulo 21: A identificação com o Eu espiritual para superar a negatividade)

Eu estava dando uma lida em algumas partes desse livro hoje. E essa parte me chamou atenção.  Durante a maior parte da minha vida eu me identifiquei com meus aspectos negativos. Como se eu fosse eles. Eu não falava eu estou nervosa. Eu falava eu sou nervosa. Não falava eu estou insegura. Eu falava eu sou insegura. E há uma grande diferença nisso porque o estar denota algo temporário e o sou denota algo permanente.

Uma vez eu estava na aula aula de direção , cometi alguns erros e reparei que não fiquei nervosa. E então imediatamente eu pensei: “Essa não sou eu, eu sempre fico nervosa”. E esse é um exemplo pratico do trecho : “Na melhor das hipóteses essa alegria parece acontecer a outra pessoa que não o você familiar.” Foi exatamente isso que eu senti que aquela pessoa que não ficou nervosa não era eu.

Então eu vivi essa identificação de uma maneira muito profunda. E eu realmente coloquei em pratica aquelas perguntas citadas no texto e deu certo. E essa identificação com o eu inferior não está mais tão forte. Mas eu noto que ela ainda existe quando eu estranho receber um elogio, por exemplo.  No fundo parece inconcebível alguém ver algo de bom em mim. Mas no momento seguinte eu me lembro de tudo o que está escrito aqui e questiono. Porque ninguém poderia me elogiar? Será mesmo tão improvável assim que alguém veja aspectos positivos em mim???

Daí eu percebo que esse desconforto em si mesmo é ridículo. E consigo me sentir mais confortável com o elogio. é claro que eu gosto de ser elogiada, mas ainda há um certo desconforto. O que está obvio para mim é que eu preciso me atuar a me identificar com a nova Luciana e não com a antiga.

5 comentários:

  1. Óla Luciana, parabéns pelo blog e pelas publicações !

    Abraço

    ResponderExcluir
  2. ESTOU TE SEQUINDO E ESPERO VOCÊ , ABRAÇOS!!!

    http://justaluasossegorima.blogspot.com/2011/02/blog.html

    ResponderExcluir
  3. gosto sempre de enviar para pessoas como vocÊ.

    INTUIÇÃO

    INTUIÇÃO É O QUE RESPONDE ESSA PERGUNTA ,QUE A MUITO TEMPO EU FAÇO E NÃO SEI RESPONDER.
    O QUE EU SOU ,PRA QUE NASCI ,DE ONDE VENHO
    SE O MEU EMPENHO É TÃO SINCERO PRA VIVER.
    INTUIÇÃO SEMPRE CONSTRÓI MEU PRÓPRIO ABRIGO,DESCULPE AMIGA SE EU NÃO SEI O QUE DIZER.
    SE ESTOU AQUI E AGORA É PORQUE FAZ SENTIDO , MINHA ESPERANÇA É BEM MAIOR DO QUE SEI E SER.
    EU SOU INTEIROE É MAIS HONESTO SER ASSIM,PORQUE DE MIM NINGUÉM VAI TER NADA MELHOR . DO QUE TENTAR ETERNAMENTE ACHAR EM MIM , O QUE HÁ LUZ ,O QUE HÁ DE SOMBRA , O QUE HÁ DE SÓ.

    INTUIÇÃO ME ABRAÇA E ME LEVA PRO CÉU
    QUEÉ SEU MEU BRAÇO ,MEU DESTINO E ESSA CANÇÃO. ME DÊ CORAGEM PARA RECOMEÇAR O QUE ACREDITO.
    TÔ UM POUCO AFLITO , ESTOU COM MEDO , ESTOU NO CHÃO.
    DO CHÃO ME LEVANTEI , ME RECRIEI , ME DESCOBRI , TÔ UM POUCO AFLITO , ESTOU COM MEDO MAIS ESTOU AQUI.

    (ACH QUE SE PARECE COM VOCÊ , É UMA MÚSICA DO FABIO JR)
    ABRAÇOS!!! VÊ SE ME SEQUE NO BLOG:

    ResponderExcluir
  4. Olá Sossego!!

    Agradeço pela musica. Gostei muito. Gostei muito do seu blog também. Já estou seguindo-o .

    Beijos!!!

    ResponderExcluir