terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Um Pouco da Minha história

quadro_fim_da_jornada

Hoje resolvi dar uma pausa nos meus comentários sobre as palestras do pathwork e contar um pouco da minha história. Acho interessante os leitores do meu blog saberem um pouco sobre como cheguei até aqui. Então vou contar a minha história de forma resumida. Com os acontecimentos mais importantes.

Quando eu era pequena eu era uma criança muito tímida. Minha mãe diz que muitas vezes eu ficava ao lado dela nas festas ao invés de sair para brincar. Então acho que desde nova eu tinha essa dificuldade em me aproximar das pessoas.

Quando fui para a Classe de alfabetização eu tive dificuldades para aprender a ler. De fato eu quase repeti. Meu relacionamento com os colegas de classe não era fácil. E eu era muito zoada.

Com o tempo eu melhorei na escola. Mas isso parece ter incomodado muitos dos meu colegas. Eles começaram a ser irônicos comigo. W eu “perdi os poucos “amigos” que tinha. E passei a ficar totalmente isolada. Nessa época eu cheguei a uma conclusão: ‘Não se pode ter tudo, ou eu sou boa aluna ou tenho amigos”. Achava que tinha de abrir mão de uma das coisas. E como eu parecia não ter habilidade para me enturmar eu escolhi os estudos. E depois ter uma boa carreira. E assim eu desisti de ter amigos e mergulhei nos estudos. Virei o que se costuma chamar de Nerd ou CDF. E Não fazia praticamente nada além de estudar. Afinal essa parecia ser minha única capacidade.

E assim, eu levei a vida até me formar na faculdade. Daí tive dificuldades em arrumar emprego. Logico, para mim eu não poderia ser nada além de estudante. Mesmo tendo me formado eu não me via como uma profissional. Eu entrei em crise parecia que eu não poderia ter nada. Nem amigos, nem carreira.

Foi então que eu entrei no pathwork. E nesse momento eu vi que o que eu não tinha conseguindo não tinha nada a ver com o fato de eu ser incapaz. E sim com minhas crenças. São nossas crenças que criam nossas vidas. E Minha crença era que eu não podia ser nada além de uma estudante.

E eu aprendi que se são nossas crenças que criam nossas vidas são elas quem devemos questionar. E quando questionamos nossas crenças elas se enfraquecem o suficiente para que outras crenças tomem seu lugar. E assim eu fui questionando. E hoje eu tenho amizades, comecei a atender como nutricionista, além de ter iniciado um novo curso. Passei a me expor mais e a ser mais verdadeira. E tudo isso foi fruto de uma mudança de crenças.

8 comentários:

  1. Lindo Luzinha!

    Sua estória daria um filme! rsrsrs...
    Com direito à Oscar!

    Bjão!

    ResponderExcluir
  2. Olá Luciana querida!
    Minha linda, acho que cada um de nós tem o seu tempo de maturação, digamos assim... As coisas nos acontecem no tempo certo e conforme nossa evolução. Não precisamos ter pressa, pois tudo nos chega no momento certo. Muitas vezes é preciso que abramos mão de algumas coisas. Precisamos sempre fazer escolhas...assim é a vida! Mas não podemos jamais nos arrepender por elas e sim pensar que elas fazem parte do nosso aprendizado. Acho que você absorveu cada fase, cada mudança e cada questionamento gradualmente e assim foi revendo as suas crenças... Legal quando nos conscientizamos de que a vida é assim mesmo: mutável! Então precisamos mesmo sempre estar abertos às mudanças. Só entenda que existem as "crenças" adquiridas ou pré concebidas a partir daquilo que o nosso meio social nos impõe e a crença que carregamos dentro de nós, que nos orienta mesmo que não a reconheçamos... Essa crença fala conosco sobre nossas verdades e é a ela que devemos dar ouvidos... Algumas pessoas erram por ignorá-la, mas não desista e nem desacredite dessa crença. Continue o seu caminho...descobrindo-se um pouco mais a cada dia e tenha apenas o comprometimento com você mesma de ser feliz ao seu modo, a partir de sua verdadeira crença interior.
    Grande beijo, minha querida e me perdoe pelo longo comentário!
    Jackie

    ResponderExcluir
  3. Olá Luciana.
    Já Publiquei sua postagem tá.
    Até mais minha amiga.

    ResponderExcluir
  4. Linda sua hstória, menina! Mas dizer que não é nada?
    Você é sim, muito sensível e inteligente.
    Arregasse as mangas e coloque todas as suas capacidades em prática.
    Abraços.

    Saiba, todos nós somos um pouco assim, como a sua história...

    ResponderExcluir
  5. Malu. srsrs. Eu não acho mais que não sou nada. Isso era o que eu acreditava antes. Não hoje!!!

    ResponderExcluir
  6. Olá Flor linda!

    Tão bom ler suas palavras e participar do seu desenvolvimento! Num de meus textos abordei o assunto a questionar justamente o mal que há em nós e não fazer ao contrário! É bem assim, quando questionamos o mal, então começamos nos abrir ao bem, mas, o importante é também trabalhar em soltar, depois que questionar, se envolva com o bem que traz conforto em seu interior e largue tudo e se permita ser a cada momento só o que puder e assim vai gerar a confiança para cada momento e circunstância necessária, confiando sempre que tudo se fará em solução!

    Um abraço,
    "Todo o Conhecimento é Luz que Inspira a Alma" -*Vera Luz*-

    ResponderExcluir
  7. Luciana,

    Somos seres em evolução. Claro que muitos não se importam com isso. Se questionar, enfim, vivemos fazendo isso. Duvidas existem, que bom, porque estamos aprendendo constantemente. O fato de ser tímida e se dedicar aos estudos e outros trabalhos, que bom que é concentrada. Contudo, de oportunidades a voce mesma. Seja voce mesma e se sinta bem com quem é.

    Bjs

    ResponderExcluir
  8. Valeu pelas dicas!! é exatamente isso que estou procurando fazer!!!

    ResponderExcluir