domingo, 30 de janeiro de 2011

Acessar o eu verdadeiro

meu-verdadeiro-eu-2841984-31469

“Você, no seu mundo, está tão condicionado a uma ênfase exagerada no processo de pensamento, no intelecto, na mente e na força de vontade que você acredita que pode, de algum modo, tornar-se você mesmo por um ato direto de vontade e usando diretamente o seu processo de pensamento crescer e desenvolver-se espiritualmente. Por exemplo, você aprendeu que ser bom e amar indica desenvolvimento espiritual. Então você tenta ser bom e amar ordenando-o aos seus pensamentos e dirigindo a sua força de vontade para fazê-lo. Você sabe agora, com base em todo o nosso trabalho anterior, que isso não é possível. Isso, no final das contas, equivale a querer ser algo que você não é.

O seu Eu Verdadeiro não pode ser governado pela vontade nem pela força. Ele é uma manifestação direta, não do pensamento e da vontade, mas de uma experiência espontânea, criativa que passa a existir sem convite, quando menos se espera. É muito importante lembrar disso e nunca perdê-lo de vista. Inadvertidamente, inconscientemente, espontaneamente - e ainda assim de forma deliberada - você ainda espera e luta pela manifestação do seu Eu Verdadeiro por atos de pensamentos e vontade, doutrinando-se a si mesmo com conceitos - em outras palavras, por meio de processos intelectuais. Isso não pode ser feito, meus amigos.

Então pode surgir a questão: por quê afinal usar o intelecto, o pensamento e a vontade no seu árduo trabalho neste Pathwork? A resposta é que, ao usar sua mente e vontade para compreender a confusão e o erro da sua mente e da sua vontade e motivações mal dirigidas, você indiretamente ocasiona o nascimento do Eu Verdadeiro.”

(O Guia. Palestra 104:O INTELECTO E A VONTADE COMO INSTRUMENTOS OU OBSTÁCULO DA AUTO-REALIZAÇÃO)

Esse trecho me chamou atenção. Na verdade a palestra toda chamou mas não dá para po-la toda aqui. srsrs. Coloquei esse trecho porque ele mostra claramente o engano que eu cometi ao tentar crescer espiritualmente. Eu tentei me forçar a ter apenas sentimentos considerados bons e nobres. E como eu mesma descobri se força a sentir algo é impossível. Simplesmente não funciona. E por conta de eu fazer tanto esforça e não dar certo eu passei a me considerar péssima pessoa.

Demorei a perceber duas coisas: Nenhum ser humano tem apenas sentimentos nobres. E não pode forçar a sentir algo o máximo que se consegue com isso é uma mudança superficial e até mesmo hipócrita.

O que funciona é a consciência. Saber quais são nossos “pontos fracos” e não nos julgarmos por te-los. Temos de ter aceitação e compaixão por nós mesmo.  Pode parecer paradoxal mas quando não sabemos da existência de alguma parte nossa ela nos domina. Quando adquirimos consciência deixamos de ser refém delas. E podemos até curar essas partes. E dessa forma o nosso eu verdadeiro fica acessível.

Ele já existe, não é preciso cria-lo. Há simplesmente falsas crenças encobrindo-os. Questionando e mudando essas crenças o eu verdadeiro passa a ficar acessível.

5 comentários:

  1. Seu comentário foi ótimo! Realmente, não é preciso criar o que já temos em nós. A auto-aceitação é fundamental para a gente perceber quem verdadeiramente somos.

    ResponderExcluir
  2. Oi Luciana.
    POst publicado na Teia .
    Até

    ResponderExcluir
  3. Ótimo esse texto!
    Realmente nunca dá certo forçar um sentimento...Só enfrentando nossa sombra e aceitando-a podemos nos modificar.
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Olá Luciana querida!
    Muito bom o seu texto e chama a atenção para um grande equívoco que as pessoas normalmente cometem mesmo! Não adianta sermos "politicamente corretos" e tentarmos demonstrar sentimentos que não são condizentes com aquilo que estamos vivendo interiormente! Também me preocupa muito o fato das pessoas acharem que para serem queridas e bem vistas, devem viver 24 horas alegando não terem defeitos e nenhum tipo de maldade. Todos nós possuímos os dois lados e o que diferencia é apenas como cuidamos e quem alimentamos mais, deixando prevalecer em nossa personalidade... Agora, achar que para ser "normal" é preciso ser bonzinho sempre, isso é no mínimo um preconceito totalmente hipócrita!
    Muito boa a sua reflexão! Parabéns!
    Grande beijo,
    Jackie

    ResponderExcluir
  5. Verdade tudo o que você disse Jackie. São coicas que eu mesma demorei para perceber!!!!

    ResponderExcluir